eSports

VALORANT: “É muito gratificante”, afirma Sacy após título do Masters

A Team Vikings se sagrou campeã do VALORANT Masters Brasil neste domingo (21), ao vencer a Gamelanders por 3 a 0 na série. Após o triunfo, Gustavo “Sacy” Rossi conversaram com os jornalistas sobre a jornada da equipe na busca pelo título.

+ Extensão para stream árabe de VALORANT dará VP ao espectadores
+ Desenvolvedor imagina como VALORANT seria para Nintendo 64

Quando perguntado sobre a sensação de ser o primeiro jogador no mundo a conquistar dois títulos por títulos diferentes da Riot Games, Sacy revela que se sente gratificado, ainda mais por ser em um FPS.

“Pra mim é uma doideira inexplicável. Eu sempre tive o sonho de jogar FPS desde moleque. Na época em que eu jogava CS:Source, não era bem estruturado, não tinha tanto investimento. Então mudei pro LoL, mas com o sentimento de que queria jogar FPS, então é muito gratificante ter conquistado esse título, principalmente em um jogo da Riot”, contou o jogador.

Contudo, o mesmo aponta a conquista do 1º Split do CBLOL de 2017, pela RED Canids, o mais importante em sua carreira.

“Foram anos investindo e tentando alcançar o sonho de ser campeão, e também eu era rodeado de uns caras incríveis onde aprendi muito, não só sobre o jogo mas também pra vida, com Tockers, YoDa, brTT. Então o título do CBLOL vale mais pois foi o que alavancou minha carreira”

Sacy também falou sobre sua amizade com Saadhak. De acordo com o jogador, ter um cara com a mesma mentalidade que ele para exercer a função de IGL poderia lhe ajudar a aprender mais.

“A gente se conheceu dentro do servidor. Nós sabíamos que éramos duas pessoas bem táticas e também, por minha parte, sabia que ele [Saadhak] era IGL e não queria essa função. Precisava de um cara perto de mim, com quase a mesma mentalidade que eu, em relação a tático, e me ensinasse sobre o mundo do FPS de modo geral”, revelou Sacy.

Além disso, Gustavo também contou sobre seu primeiro contato com Saadhak, falando da vontade do argentino em atuar em nossa região. “Quando eu estava na RED ele queria jogar no Brasil. Ele me mandou mensagem em outubro que queria vir para cá. Então a partir daquele momento eu sabia que podia chamar ele, mas o ignorei [risos]”.

Continue lendo

Artigos relacionados


 
Botão Voltar ao topo