Saúde

A tortura do sedentarismo

O homem não foi feito para praticar exercícios. Essa afirmação vai de encontro ao fato de nossos ancestrais saírem da zona de conforto somente para caçar e cuidar dos filhos.

O ato de poupar energias era primordial para cada indivíduo. Muita coisa mudou nos últimos anos e, o sedentarismo aparece como uma ferramenta letal para o aparecimento de doenças crônicas. Afinal, o sedentarismo é uma tortura?

O sedentarismo é definido como a falta, ausência ou diminuição de atividades físicas. Está associada ao comportamento cotidiano decorrente dos confortos da vida moderna.

A questão se tornou ainda mais preocupante em tempos de pandemia, quando muita gente acabou ficando mais tempo em casa devido às medidas de contenção do avanço da doença. Com essas medidas, alguns têm passado os dias entre a cadeira em frente ao computador, a televisão, o sofá ou o colchão, com as idas mais frequentes à cozinha.

A permanência em repouso pode ser um tanto prejudicial pois podem predispor e aumentar o risco de muitas doenças crônicas, como as cardiovasculares, diabetes tipo 2 e alguns tipos de câncer. Claro que o sedentarismo acelera o processo de autodestruição celular e o envelhecimento do corpo.

Está claro que é necessário sair do prazer do sofá onde o sedentarismo impera, porém, sair do sedentarismo e ir direto para uma prática de exercícios físicos intensa não é uma boa alternativa pois, podem haver doenças escondidas que geram complicações crônicas.

A grande dica é, saia do sedentarismo o quanto antes praticando exercícios físicos regulares, nem que seja a ida a pé ou de bicicleta para o trabalho. Lembrando que a prática diária deve durar pelo menos trinta minutos. Faça a experiência e nos conte os resultados. Vale a ressalva de visitar um médico antes do inicio das práticas físicas.

Continue lendo

Júlio Casé

Médico de Família e Comunidade pela Secretaria Municipal de Saúde - Sinop/MT. Professor de medicina de pela UFMT campus Sinop. Guarujaense de história. Autor do livro “Receitas para a vida” pela editora Oiticica.de Sinop-MT