Saúde

Saúde da mulher no século XXI

O mundo mudou e a mulher também. Atualmente ela trabalha e cuida da casa, optam por ter menos filhos e em idades mais tarde, vivem mais tempo e exigem mais de si mesma.

Agora, no século XXI, ela deve prestar atenção no modo como constroem suas vidas, pois muitas condições de saúde estão relacionadas a este processo. A partir da década de 80 a mortalidade por eventos cardiovasculares na mulher (Infarto do Miocárdio, AVC-Derrame e Hipertensão Arterial) passou a ser maior que a dos homens devido a maior expectativa de vida e a vivência diária.

Muitas modificações no estilo de vida, trouxeram repercussões no status de saúde da mulher, como o tabagismo, o alcoolismo, mudanças nos hábitos alimentares, piora da qualidade do sono, sedentarismo, estresse com a condição financeira, preocupações com a educação dos filhos e maior variabilidade de parceiros sexuais com predisposição a doenças sexualmente transmissíveis.

É preciso intensificar os cuidados com a saúde feminina tanto da parte da mulher como das autoridades de saúde. O bom é que para ambos os lados temos pontos positivos.

A mulher sempre é mais precavida que o homem e procura cuidar de sua saúde, quer seja visitando seu médico regularmente, cuidado da dieta e praticando exercícios físicos. Por sua vez, no que diz respeito a saúde feminina, o Brasil conta com políticas públicas que envolvem a saúde feminina.

Incluem-se o programa de Pré natal e puerpério, Câncer de mama e de Colo do útero, Prevenção das Infecções de Transmissão Sexual entre outros. Como cuidar da saúde no século XXI? Como melhorar a qualidade de vida em um ambiente que estimula estilos de vida prejudiciais? A iniciativa parte a partir políticas públicas voltadas para elas com ações direto nos problemas atuais e atitudes individuais de cada uma.

Continue lendo

Júlio Casé

Médico de Família e Comunidade pela Secretaria Municipal de Saúde - Sinop/MT. Professor de medicina de pela UFMT campus Sinop. Guarujaense de história. Autor do livro “Receitas para a vida” pela editora Oiticica.de Sinop-MT

Artigos relacionados


 
Botão Voltar ao topo