Esporte

Má fase de referências e lacuna do elenco desafiam Mancini no Corinthians

​Vagner Mancini começou a semana falando em fazer “o Corinthians voltar a ser Corinthians” e teve uma estreia com a cara do clube: 1 a 0 sobre o Athletico, nos acréscimos, com um jogador a menos. Agora, o treinador tenta fazer do suado triunfo em Curitiba o início de um trabalho de recuperação.

Há obstáculos consideráveis para isso. Não foi por acaso que ele assumiu a equipe na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, com apenas 15 pontos em 15 rodadas e semelhanças assustadoras com a trajetória do clube em 2007, que terminou em queda à segunda divisão.

Ainda que tenha bons jogadores, o elenco é notoriamente desequilibrado, com lacunas reconhecidas pela própria diretoria. E esses atletas de maior qualidade, referências técnicas do grupo alvinegro, estão bem longe de seus melhores momentos, casos de Cássio, Fagner, Gil e Jô.

A temporada até aqui foi uma fracassada tentativa de adotar um futebol ofensivo, com conceitos tidos como modernos na construção das jogadas. Sob Tiago Nunes, contratado para conduzir uma transformação, o Corinthians perdeu a consistência defensiva que tinha e ganhou nada em troca.

Não causou estranheza, portanto, que Mancini tenha chegado cobrando a recuperação da identidade alvinegra. Referia-se à raça que os torcedores tanto exigem, mas também a um modelo de jogo baseado na proteção firme da retaguarda, marca do clube nas conquistas recentes.

Na estreia, o paulista de 53 anos procurou fechar a cabeça da área com três volantes e ordenou que os jogadores escalados pelas beiradas se juntassem a eles na linha de marcação. Precisou de ótima atuação do goleiro Walter, mas conseguiu celebrar uma vitória pelo placar mínimo.

O gol foi um retrato da mudança. Em vez de insistir em uma saída de bola por baixo que só vinha lhe causando problemas, o Corinthians começou a bater os tiros de meta na direção do ataque. No lance decisivo, Boselli e Xavier brigaram após o chutão, e Everaldo aproveitou a chance.

Muito comemorado pelos atletas na Arena da Baixada, o resultado levantou o moral de um time que vinha de cinco partidas sem vencer. Mancini observara o abatimento no primeiro contato com os jogadores e explicara que buscar uma reação emocional seria o primeiro passo.

Ele foi dado, porém os problemas persistem. Como ocorreu com Tiago Nunes e com o interino Coelho, o novo comandante já percebeu que tem limitadas opções de velocidade no grupo, com atletas como Léo Natel e Gustavo Silva se revezando nas pontas.

“Eu sempre pratiquei um jogo agressivo: agressivo no combate na parte defensiva e agressivo para buscar o gol”, disse o treinador, que, a não ser que a diretoria lhe presenteie com um reforço inesperado, terá dificuldades para organizar esse tipo de ataque.

Com ou sem novos jogadores, o técnico precisará de uma participação mais consistente de quem já está no elenco. Para conquistar seu primeiro triunfo, ele se apoiou em boas partidas de Walter, Xavier e Mateus Vital, que não são os habituais protagonistas.

Fazer aqueles que são os principais atletas voltarem a render é uma das chaves para Mancini ter uma vida mais longa no clube do Parque São Jorge. Outra é achar em ao menos um dos meias que chegaram neste ano alguém capaz de oferecer uma produção ofensiva confiável.

Luan tem sido uma grande decepção. Otero e Cazares, que atuaram com o técnico no Atlético-MG, desembarcaram faz menos tempo e trabalham para ganhar espaço com o conhecido comandante.

Como se vê, há problemas, mas também alternativas. E, apesar da recepção pouco calorosa que teve dos torcedores e do currículo de sucesso limitado, Vagner Mancini já se mostrou capaz de montar equipes organizadas –como o Atlético-GO que deixou para assumir o Corinthians.

Por ora, a meta é apenas ganhar distância da zona de rebaixamento e deixar para trás o lúgubre espectro de 2007. Se esse modesto objetivo for alcançado, o time poderá almejar algo mais ambicioso, como a parte de cima da tabela e uma campanha competitiva na Copa do Brasil.

Este domingo (18) poderá oferecer novo ânimo ou um choque de realidade. A partir da 16h, em jogo com transmissão da TV Globo, a equipe alvinegra enfrentará o Flamengo, atual campeão da Copa Libertadores e um dos líderes do Brasileiro, na Neo Química Arena.

Nesse jogo e nos próximos, Mancini não poderá contar com aquela que costuma ser uma arma importante do Corinthians. Na pandemia do novo coronavírus, os jogos têm sido disputados sem torcida, e não há previsão de volta da Fiel à arquibancada de Itaquera.

O técnico ainda tem dúvidas para escalar o time titular. No gol, Cássio volta de suspensão, mas tem a forte concorrência de Walter, destaque na vitória contra o Athletico na última quarta (14). Para o ataque, Jô é desfalque por lesão. Por outro lado, Otero e Cantillo voltaram de suas seleções e estão à disposição.

Continue lendo

Artigos relacionados


 
Botão Voltar ao topo