Esporte

Jogadores do Botafogo protestam antes e durante goleada no Rio

A goleada do Botafogo sobre a Cabofriense por 6 a 2 neste domingo (28), pelo Estadual do Rio, ficou marcada pelos protestos dos jogadores por terem de entrar em campo durante a pandemia da Covid-19.

O Botafogo era contrário ao reinício da competição e se posicionou dessa forma nas reuniões realizadas pela federação estadual e no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro. Apesar disso, a rodada foi mantida.

Os jogadores da equipe exibiram faixa que dizia “protocolo bom é o que respeita vidas”. Eles usavam camisas pretas em homenagem ao movimento “black lives matter” (vidas negras importam, em inglês), que protesta pela igualdade racial e contra brutalidade policial.

Segundo o clube, as camisas serão colocadas à venda.

Logo após o apito inicial, os atletas do Botafogo se ajoelharam no gramado do Engenhão, outro gesto identificado com o movimento. Apenas um integrante da Cabofriense fez o mesmo, mas os demais não reiniciaram a partida enquanto os adversários protestavam.

O Botafogo entrou sem vários titulares que não estavam em condições físicas. O elenco teve oito dias de treinos antes de enfrentar a Cabofriense. Os gols foram marcados por Pedro Raul (duas vezes), Cícero, Bruno Nazário, Luís Henrique e Caio Alexandre. Emerson Carioca e Diego Sales anotaram para a Cabofriense.

Topo