Economia

Confrontando o preconceito racial

Uma pesquisa publicada neste junho mostra a profundidade da questão do preconceito racial no Brasil. O trabalho foi realizado pelo Instituto Locomotiva, a pedido da CUFA (Central Única de Favelas), organização fundada dentre outros por Celso Athayde, empresário e uma das vozes mais importantes para conhecer o país.

A pesquisa mostrou uma série de rostos para uma amostra de 3.111 entrevistados composta por homens e mulheres entre 16 e 69 anos. As pessoas eram, então, perguntadas quem das pessoas retratadas nas fotos tinha mais chance de ser abordada pela polícia —94% dos entrevistados apontavam para uma pessoa negra.

Quando perguntadas sobre quem tinha mais chance de conseguir emprego, 91% apontavam para uma pessoa branca. Ao perguntar quem tinha mais chance de fazer faculdade, de novo, prevalecia com 85% uma pessoa branca.

Esses dados são ainda mais impactantes quando se tem em mente que 56% dos brasileiros se autodeclaram pretos ou pardos. Como base de comparação, nos EUA, berço do atual e forte movimento contra o racismo, 13,4% se autodeclaram negros e 18,3% hispânicos ou latinos.

Um dos muitos debates levantados nesse momento de protestos é a questão do viés racial. A pesquisa da CUFA no Brasil mostra na prática uma das dimensões dessa questão. Outros relatos incluem os chamados testes de associação implícita (IAT). O modelo desse teste surgiu em 1998 por meio da pesquisa de pesquisadores em psicologia social, como Anthony Greenwald, professor da universidade de Washington.

A premissa desse tipo de teste é de que é muito difícil determinar o viés de uma pessoa com base no seu próprio relato consciente. Desse modo, o teste busca medir, por meio de associações subconscientes e automáticas, o grau de viés que a pessoa —muitas vezes sem saber— apresenta com relação a um determinado assunto.

Esse tipo de tese é usado para aferir viés sobre temas que abrangem raça, idade, sexualidade, religião, gênero e até questões como autoestima e autoimagem (o que uma pessoa pensa sobre ela mesma).

A universidade de Harvard oferece esses testes online, inclusive em português, pelo link implicit.harvard.edu/implicit/brazil. Cada pessoa terá uma experiência e reação diferente ao realizar esse tipo de teste. Mas para muitos será um exercício importante de autoconhecimento, que pode ajudar a revelar diversos tipos de vieses.

E é claro, esse tipo de teste também trouxe controvérsias sobre sua acuracidade e validade. De todo modo, o artigo original que estabeleceu as bases para esse modelo de análise tem mais de 12 mil citações em periódicos acadêmicos.

Como mostra Jennifer Eberhardt, professora de psicologia social da universidade de Stanford e autora do importante livro Biased (“enviesado”), preconceitos afloram com facilidade em situações-limite, quando agimos com pressa ou instintivamente. Não só os testes IAT demonstram isso, mas também a realidade prática que Eberhardt encontrou pesquisando por anos os departamentos de polícia nos EUA.

Um dos caminhos para começar a superar o preconceito é justamente parar de negá-lo, saber que eles existem e não são um problemas dos “outros” ou da “sociedade”, mas também uma questão inerente a nós mesmos.


Reader

Já era nunca limpar o celular

Já é limpar o celular com Lysoform

Já vem case que carrega e desinfeta o celular com luz ultra-violeta

Continue lendo

Artigos relacionados


 
Botão Voltar ao topo