Brasil

A vida é um código de barras, somos mesmo mercadoria.

Ouça também o nosso podcast:

 
 
Chegamos a um ponto da atual e tenebrosa conjuntura onde nada mais nos surpreende em meio a uma pandemia sem precedentes pelo menos no Brasil, aonde, aliás, quem morre em massa são os pobres pois a desigualdade social, a miséria, o desmonte das politicas públicas e o descaso das autoridades inviabilizam qualquer forma de proteção da população em condições paupérrimas, em sua grande maioria o povo negro .
 
Diga-se de passagem, já estamos habituados ao isolamento social, desde a invasão europeia as nossas terras, a escravidão do negro o isolou na senzala onde só passava na “catraca” para os trabalhos forçadas, também para ser açoitado e torturado pelos senhores brancos, que eram donos das vidas dos negros e negros escravizados, depois da “abolição” oficial o isolamento da sociedade aceitável e a estratégia de extermínio através da politica eugenista de branqueamento e a institucionalização da necropolitica essa falsa liberdade de uma abolição não concluída era só mais uma leva de açoites, que ainda não cessaram.
 
Veio o isolamento da escola, o isolamento da cidade onde não podíamos andar podemos para ilustrar aqui esse fato, por exemplo, a tal da lei da “vadiagem”, mas vamos seguindo neste breve texto, fomos isolados da alimentação vide a famigerada “lei da terra”, tentaram e tentam nos isolar de nosso sagrado, fomos isolado do  acesso ao trabalho, isolados do acesso a saúde pública mas enfim , para chegar ao fim, ao nosso fim, querem e forçam um isolamento de nossa própria existência
 
Deparamo-nos últimos dias com a aprovação no Senado do marco regulatório do saneamento, nome bonitinho para privatização da água, isso mesmo essa elite sanguinária, agora quer lucrar com um bem essencial a vida de todos os seres vivos do planeta , seja para minhoca que rasga a terra contribuindo com sua ação para o espetáculo da vida , seja para os seres humanos, a grande maioria da população já não tem tratamento de esgoto e boa parte da população sequer tem agua potável, embora assistimos também o Czar Bolsonaro, inaugurando obras que não viabilizou como aquela da transposição do Rio são Francisco, feitas no Governo Lula/Dilma.
 
O projeto de lei apresentado pelo senador milionário, tucano, facínora Tasso Jereissati, velho coronel da região nordeste, prevê e positiva, ou melhor, regulamenta e autoriza a privatização da água prevendo nesse infame projeto a abertura de licitações para Gestão desse bem no município e demais entes da Federação.
 
O interessante é que o “Senador Coca Cola” feliz apelido colocado ao coronel pelo deputado Glauber Rocha a Tasso Jereissati, numa referencia a canção da Legião Urbana, é sócio, ou seja dono da franquia coca cola no Brasil, umas das principais interessadas na privatização desse bem.
 
O fato é que isso não deu certo em lugar nenhum do mundo e segundo a BBC, em 265 cidades do planeta instaurou-se um processo de reestatização do Serviço, a Nestlé também esta de olho nessa carnificina , não apenas por conta da utilização direta da água em sua produção, mas também assim como a coca, para lucrar com a agua como commodities.
 
A grande questão é que já estamos na seca a muito tempo em todos os sentidos possíveis, o pior de tudo é que mesmo com esse banho de água fria os bolsonaristas  de base mantem seu apoio incondicional a esse projeto de assassinos, como um suicídio via homeopatia.
 
Pra piorar setores da esquerda gelatina votaram a favor desse descalabro, entre os traidores está o irmão do Ciro Gomes, o Senador Cid Gomes que como disse o vereador Brizola Neto, passou com uma retro escavadeira em cima do legado do grande Leonel Brizola, este sim um nacionalista, oque me faz cada vez mais olhar com olhos de lado , essa tal de frente ampla, que de tão ampla jajá parece bolsonarismo sem Bolsonaro, uma vez que essa excrecência, compões o projeto ultra liberal de Paulo Guedes.
 
Seguimos isolados ao quadrado nessa pandemia, pois os covardes nos dilaceram na escuridão e a mídia que por interesses mínimos e divergências factuais faz o jogo da burguesia nacionalista e não nos engana com essa falsa oposição.
 
A  privatização da agua é um processo cruel, genocida e quem votou a favor é um assassino, nesse momento é preciso navegar nas correntezas do enfrentamento, hidratar-se no soro das lágrimas de indignação e na terra fértil da reflexão plantar a semente da rebeldia, querem nos deixar ainda mais na seca, nossas mentes não serão privatizadas , pois são solo fértil na construção de outro mundo.
 
E sabe a gente não quer só comida a gente quer comida diversão balé, a gente quer inteiro e  não pela metade, como cantaram os Titãs , não somos mercadoria, a agua não é mercadoria, a vida não é mercadoria  e nossa maior sede é por justiça!
 

  Esse trecho da canção Perfeição da Legião Urbana, parece ter sido estrito hoje:

Vamos

Comemorar a água podre e todos os impostos

Queimadas, mentiras e sequestros

Nosso castelo de cartas marcadas

O trabalho escravo, nosso pequeno universo

Toda a hipocrisia e toda a afetação

Todo roubo e toda indiferença

Vamos celebrar epidemias

É a festa da torcida campeã


 

Mais notícias do colunista

Dina Alves - Interpreta Darluz (Marcelino Freire)

EUSpelho - Festival Curta a Vida 2009

Para cima