Brasil

Bolsonaro, a Hidra de Lerna e o rabo da lagartixa

Ouça também o nosso podcast:

 

Sai Ministro, entra Milico e a Hidra de Lerna segue seu projeto, é claro que a evidenciação não apenas do desajuste, mas da tragédia que é esse Governo, é importante para que, quem ainda não houvesse enxergado perceba o monstro que esta no comando do país, mas no entanto tenhamos a cautela de entender que segue o projeto, milhões para os bancos, migalhas para o povo, ouro para os ricos e chumbo para os pobres.
 
Essa besta  Mitológica ( ou mito sem lógica) segue seu projeto de destruição de direitos  conquistados pela luta do povo desde a invasão portuguesa no território, traz de volta o  genocídio indígena , da população negra , dos LGBTs e de membros de movimentos sociais.
 
A Hidra de Lerna vai perdendo suas cabeças e essas embora esperneiem feito rabo cortado de lagartixa defendem o mesmo projeto sanguinário, seja o jagunço de toga, queridinho da burguesia , da mídia e das camadas econômicas médias , seja o ex-ministro privatista da saúde, seja o javali que estava ocupando o cargo de Ministro da Educação , tem ainda a primeira cabeça da Hidra a cair a do falecido Ministro Chefe da Casa civil e a do General que não sorria o Garoto enxaqueca.
 
A questão é que precisamos entender algumas coisas óbvias, não há incompetência na condução do combate a pandemia, pois é esse o projeto, é essa a tática o aprofundamento da Necropolitica, o extermínio da população  negra nas periferias, que muito tem sofrido com a expansão da pandemia , embora o vírus esteja atingindo todas as classes sociais é o povo negro, 56 % da população brasileira que mais tem sofrido, sem condições de moradia, de proteção e de uma real estratégia de combate ao Coronavírus .
 
O racista que ocupava o Ministério da Educação, aliás, hoje entendido por muitos um covarde que sai do Brasil pela porta dos fundos como um rato que é, professor medíocre como sua destrutiva gestão no MEC, antes de ser premiado com a diretoria do Banco Mundial deixou uma lembrança para nós negros, a portaria que estingue o estimulo as Universidades a implementar Programas de Cotas nas Pós graduações alias como cantou a banda Ira!

 

“  É assim que me querem

Sem que possa pensar

Sem que possa lutar

Por um ideal

É assim que me querem

Ao ver na TV todo o sangue jorrar

E ainda aprovar

A pena capital

A pena capital”


 
Mas não vai adiantar, esse é o Brasil de Clóvis Moura, de Carolina de Jesus, de Lélia Gonzáles, de Abdias do Nascimento, não se conta a história verdadeira do Brasil sem passar pela análise desses intelectuais negros  caso contrário é a reprodução e naturalização da barbárie e da manutenção desse racismo estrutural sem o qual esse capitalismo não sobrevive, o racismo, a racialização da exploração é base da estrutura de classes no Brasil.
 
Essa pandemia serviu também para tornar mais visível as contradições oriundas da questão social, as várias  formas de violência que as elites brancas brasileiras atacam a população , seja pelo seu braço armado, as policias, as forças armadas, seja pelo sucateamento das politicas publicas essenciais, como saúde, educação etc, diga-se de passagem dentro da lógica legalista direito constitucional. Mas antes disso direito imprescindível à vida .
 
Mas a Hidra de Lerna segue seus projeto, suas prioridades, com forte base religiosa neopentecostal obscurantista   encontra base popular em setores da classe trabalhadora, com um discurso de ódio, intolerância e conservador e como já escrevemos antes, tudo isso aliado a um projeto ultraliberal que não sei a que circulo do inferno nos remeterá, fazendo uma referencia ao inferno de Dante, na Divina Comédia, de Dante Alighiere  .
 
As cabeças que deixam o corpo da besta mitológica, seguem seu caminho de rabo de lagartixa , mas sabemos que não são diferentes, Bebbiano (falecido), Moro, General Santa Cruz, Mandetta, Regina Duarte, Dória, Wetzel e outros . Alguns passam a construir voo solo, outros, procuram um corpo para se encaixar numa perspectiva Frankenstein .
 
A legitimação da violência para além do monopólio do Estado mas de classe e raça, claro classe dominante e dos brancos desta elite segue ganhando novas formas de organização, milícias civis particulares vem crescendo sob o sono dos Governos, criam-se milícias também no corpo das policias militares que já desobedecem os Governadores e geram terror a população como ocorreu no Ceará, grupos fascistas atentam contra a democracia , pistoleiros matam indígenas  , e a juventude negra segue sendo assassinada pelas policias, em especial as policias militares, pois esse genocídio é justificado pelo Estado Penal com o discurso de Guerra as drogas, mas é guerra a população negra em seus territórios sitiados.
 
Tenho a esperança que começa a se apresentar uma conjuntura de resistência, de levantes negros, porque o contrário de Casa Grande não é Senzala, o contrário de Casa Grande é Quilombo!
 
“ A flauta, o pastor, a música

Clóvis Moura

Havia uma pequena pedra

que ouvia música.

Todos os dias o pastor com a sua flauta

sentava-se à sombra da árvore sem nome

e humanizava a pedra

com os sons do instrumento.

(No entanto, um dia passaram

cavaleiros com lanças e bandeiras:

o pastor sumiu, desapareceu o seu rebanho.)

Somente a pedra que ouvia música

lembra-se do pastor, da sua flauta,

da música.

E da paz que ela trazia aos seus ouvidos.”


 

Mais notícias do colunista

Dina Alves - Interpreta Darluz (Marcelino Freire)

EUSpelho - Festival Curta a Vida 2009

Topo