Colunas

Eu sou! O poder de ser quem você é

Hoje acordei pensando no mantra “Eu sou”.

“Eu sou a essência divina, eu sou a alma, eu sou a luz divina, eu sou o amor….”

Pensar nesse mantra me leva a refletir sobre o autoconhecimento e o desenvolvimento da consciência.

Um mantra é dito de forma repetida e tem como objetivo relaxar ou induzir a um estado de meditação em quem canta, mantra ou escuta, ajuda a levar a um estado de tranquilidade e paz interior. Pode ser definido como um instrumento de pensamento ou um tipo de oração.

E, já que “palavra tem poder”, podemos dizer que a repetição do mantra “eu sou” pode se constituir num excelente recurso para o desenvolvimento do autoconhecimento, uma vez que ajuda a cada um de nós a olhar para dentro, a perceber sentimentos e emoções, agrados e desagrados.

Independente da cultura, os sons, as palavras, tem o poder de materializar situações positivas ou negativas.

O poder da palavra está presente em diversas sabedorias milenares. Independentemente de crença ou religião, podemos perceber como o poder da palavra está presente em nós desde tempos mais remotos. Os orientais, em suas escrituras, afirmavam que “todo o universo é criado quando Deus se manifesta com um poder do verbo divino”. No novo testamento existe a afirmação: “no princípio, era o verbo” e em Gênese, também há referência à criação a partir do som, o que podemos perceber em “Faça-se a luz e luz foi feita”, ou seja, somos frutos da palavra, do som, da repetição.

Poderíamos continuar aqui falando sobre o surgimento das coisas a partir dos sons, pois muito se pode falar sobre esse assunto, segundo as escrituras, o som, a palavra, além de ser um instrumento principal da criação, tem um poder latente no desenvolvimento de nossa consciência, portanto de nosso autoconhecimento.

O autoconhecimento é a capacidade que temos em entender nossa personalidade, nossos sentimentos e emoções, nos possibilita prever como agir e reagir a determinadas circunstâncias e elaborar novas formas de viver a vida.

Quando temos a consciência de nossa própria identidade, entendemos o que motiva nossas emoções e nossas reações frente a cada uma delas, desta maneira reconhecemos quando estamos com raiva, por exemplo, e cada associação a ela e podemos, então, respeitar limites, controlar emoções e sentimentos negativos, sem que eles nos dominem. Aí vem as palavras e seu poder, novamente, e, neste momento, me vem outra referência, o ditado popular “quem canta, seus males espanta”. Se eu puder fazer uma brincadeirinha, “quem mantra, seus males espanta!”.

A partir do momento em que investimos no autoconhecimento, podemos transformar a maneira como enxergamos a vida, uma vez que assumimos a responsabilidade por nossas atitudes e valorizamos cada passo dado. Ter a consciência da nossa identidade nos ajuda a valorizar nossas conquistas e diminuir as distorções da realidade.

Podemos dizer, então, que com o conhecimento adequado podemos utilizar os mantras com o objetivo de nos elevar espiritualmente e despertar o potencial de bem-estar em cada um de nós, com autor responsabilidade, entrega, confiança e alegria.

Ao refletir acerca de quem somos, fazemos perguntas como: “Quem somos? O que desejamos? Quais nossos objetivos a curto, médio e longo prazo? Temos feito tudo o que é possível para alcançar a felicidade? Como agimos ou reagimos às circunstâncias que nos desagradam? Como enfrentamos sentimentos raiva e frustração? Controlamos as emoções frente às situações desagradáveis?  Enfrentamos, da melhor maneira, os desafios do cotidiano? Reagimos de maneira pacífica ou agressiva quando nos sentimos pressionados? O que nos faz bem e queremos manter? O que nos faz mal e queremos eliminar?

É importante dizer que as respostas não existirão, necessariamente, e a cada pergunta, cada questionamento, nos permitimos estabelecer novas conexões com quem somos. Assim, o mantra “eu sou” nos permite aprender cada vez mais e profundamente sobre nós, sobre nossos desejos, sobre nossas expectativas e atuar, em cada uma dessas coisas, de maneira mais tranquila e assertiva.

Desenvolver o autoconhecimento, portanto, nos leva ao bem-estar e conforto, mesmo diante de situações desafiadoras, ao entendermos quem somos e o que desejamos, podemos traçar planos que nos levem ao alcance de nossos objetivos, de nossos sonhos.

Voltando aos mantras, podemos afirmar que existem mantras milenares e cada um deles tem um objetivo e um propósito.  O mantra “eu sou” pode nos ajudar a conectar com a espiritualidade, com a essência de cada um, a despertar a consciência e identificar como podemos ser a partir dela.

Em uma rápida pesquisa na internet, você pode encontrar várias sugestões de mantras, não existe certo ou errado, existem maneiras diferentes de se conectar. Disponibilizo, abaixo, alguns exemplos do mantra “eu sou”.

Eu sou a porta aberta que ninguém pode fechar!

Eu sou luz!

Eu sou amor!

Eu sou saúde!

Eu sou prosperidade!

Eu sou abundância!

Eu sou fartura!

Eu sou cura!

Eu sou… (diga o que mais quiser que aconteça)

Outra maneira de mantrar “Eu sou” é a que coloco a seguir. Note que, em cada frase, iniciamos com “eu sou”. Esta é a única regra para este mantra. Uma sugestão, para que seja ainda mais poderoso, é que você tenha um caderno do “eu sou” e que, a cada dia, escreva seu registro no papel, a escrita é ainda mais poderosa, aumenta a autoestima e autoconfiança, além de todos os benefícios terapêuticos que proporciona.

Eu sou feliz!

Eu sou saudável

Eu sou forte!

Eu sou poderoso(a)!

Eu sou determinado(a)!

Eu sou e tenho sabedoria!

Eu sou inteligente!

Eu sou apaixonado(a)!

Eu sou bondade!

Eu sou mais do que suficiente!

Eu sou amado(a)!

Eu sou agradecido(a)!

Eu sou muito feliz por estar vivo(a)!

Eu sou o Eu sou!

 

Talvez esteja se perguntando como pode iniciar a mantrar, sugiro que escolha um momento específico de seu dia, um lugar tranquilo e sem interrupções. Inicialmente coloque uma data para que não pare de recitar antes deste dia, vinte e um dias seria o mais indicado, para que instale o hábito. Caso faça o caderno que sugeri acima, anote a data ou assim 1/21(um de vinte e um), 2/21…. até chegar em 21/21.

A ideia não é parar no vigésimo primeiro dia, ao contrário, o processo de autoconhecimento não se encerra nunca, não é verdade? Se puder, inclua outros mantras na sua rotina. Eles são poderosos.

Para uma força maior no desenvolvimento espiritual indico o Gayatri Mantra, uma das mais antigas orações conhecidas pela humanidade. Em sânscrito,

 “Om Bhuh, Bhuvaha, Swaha

Tat Savitur Varenyam

Bhargo Devasya Dhimahi

Dhiyo Yonaha Prachodayat”

A tradução livre deste mantra seria “Em todos os três mundos, terrestre, astral e celestial, que possamos meditar sob o esplendor daquele sol divino que nos ilumina. Que toda a luz dourada acalente nosso entendimento e nos guie em nossa jornada para a morada sagrada”. Ouça este mantra em https://youtu.be/6m_ySQXEuQQ

Outro mantra muito conhecido é “Om Mani Padme Hum” e pode ser utilizado cada vez que sentir que precisa florescer, pois quer dizer “a joia da consciência está no coração do lótus”. Lótus é a flor que nasce do lodo com uma beleza indescritível, ou seja, o melhor que existe em cada um de nós já está em nós, em qualquer circunstância que nos encontremos. Em https://youtu.be/AEQIm6L_TeI você pode ouvir a este mantra.

OM”, lido “aum”, é considerado o mantra da cura do corpo físico. Pode ser entoado em volume médio ou mentalmente para cuidar dos aspectos emocionais. É considerado o som primordial, mantra universal do yoga, representa a divindade da criação e liberta o espírito humano dos limites do corpo, mente e ego. Em https://youtu.be/ijfLsKg8jFY você tem acesso a “OM” em 108 repetições ou ciclos.

Uma curiosidade sobre os mantras é que se indica repetir 108 vezes cada ciclo. Acredita-se que se feitos 108 repetições nas meditações ajuda-se a entrar no estado medidativo necessário, além deste ser um número sagrado. Na índia, em práticas especiais, se faz 108 ciclos de saudação ao sol. Também é um número que representa, simbolicamente, fazer uma jornada ao sol e retornar à terra, sendo o sol a fonte e origem da vida na terra.

“Eu sou” é uma ferramenta que podemos utilizar para melhorar nossas vidas e enxergar de maneira diferente o mundo à nossa volta, existem outras tantas técnicas e ferramentas que podemos utilizar para melhorar a nossa qualidade de vida, nosso bem-estar. Hoje sugerimos os mantras como um caminho para a meditação, pois eles estimulam o foco, o silenciar da mente.

Também podemos recorrer às terapias quânticas e às práticas integrativas e complementares em saúde, importantes para o nosso desenvolvimento, autoconhecimento e tomada de consciência. nas próximas semanas falaremos um pouquinho mais sobre isso.

Continue lendo

Yvie Favero

Yvie Favero é master terapeuta emocional, pedagoga e psicopedagoga. Atua dentro das práticas integrativas complementares em saúde e presta assessoria e consultoria em saúde e bem-estar.

Artigos relacionados